ptzh-CNen

Celso Amorim: aliança China-Rússia é inédita e terá muita força no cenário internacional.

“A aliança da China com a Rússia é sólida, vai se firmar e ter muita força no cenário internacional. Vai ser uma força que não teve nunca. As duas juntas são uma coisa tremenda. Tem a população da chinesa que é imensa. A população russa não é desprezível –é um pouco menor que a do Brasil—e a Rússia tem um território enorme, com riquezas naturais, inclusive petróleo. E com um grande poder militar. No curto prazo, é uma aliança no momento natural. Simplificando muito, uma tem o dinheiro e outra tem as armas. É natural que as duas procurem se coordenar, e elas estão se coordenando, inclusive no setor de armas e bastante também em política externa”.

A análise é do ex-ministro Celso Amorim ao Tutameia. Para ele, essa coordenação acontece agora, por exemplo, com a Rússia apoiando a China nas questões do Mar do Sul da China e com a China apoiando a Rússia em relação ao Belarus. “Há uma visão que se criou em torno da Rússia que é totalmente absurda. Não contentes em expandir a Otan para os países do leste europeu, isso passou a entrar nos países da antiga União Soviética. As pessoas falam em império soviético. Mas esses países eram parte da Rússia czarista. Esses países eram parte da antiga Rússia, e agora há uma determinação de avançar até a fronteira. Não é à toa que houve todas as manifestações na Ucrânia, na Geórgia Ocidental. Não é à toa esse barulho torno da Belarus. Não sei o governo de lá o que é que é. Provavelmente não é bom. O cara é presidente há 20 anos; não é coisa boa. Não vou defender o governo. Mas não tenho a menor dúvida que esse interesse todo pela democracia da Belarus, que não havia se manifestado, por exemplo, pela democracia na Arábia Saudita, tem tudo tem a ver com o assunto estratégico. Isso leva a Rússia a se aproximar mais da China”, afirma.

 

Ler artigo completo em: Brasil 247