ptzh-CNen

UE diverge dos EUA e não vê na China ameaça à paz global.

"Os EUA estão a procurar atrair a UE para a sua esfera, mas a União, e de acordo com Josep Borrell, parte do princípio de que a China é um rival da União mas não é uma ameaça à paz global", indicou o major-general, numa referência ao Alto Representante da União Europeia para a Política Externa e de Segurança. 

Na perspetiva do investigador -- que publicou recentemente o livro "Do fim da Guerra Fria a Trump e à Covid-19. As promessas traídas da ordem liberal", uma compilação de cerca de 70 artigos em jornais, revistas e blogues, desde o fim da Guerra Fria até 2020 --, a UE está a procurar seguir o seu próprio caminho.

"Josep Borrell tem defendido que o relacionamento da UE com a China deve basear-se numa estratégia que aposte na reciprocidade e na firmeza negocial, em vez de ser numa estratégia confrontacional. E é aqui que está a grande diferença entre a UE e o posicionamento dos Estados Unidos".

Neste contexto salientou que no plano da competição EUA-China, Bruxelas também regista uma posição diferente da NATO "que é mais a posição dos Estados Unidos, o país que determina a agenda da Aliança". E precisa: "Borrell reconhece a crescente importância da Ásia e quando se refere à 'chegada do século asiático' terá percebido que se tem de ter em conta esse elemento no quadro geoestratégico, que não existia há 20 anos. E também percebeu que o ocidente não pode definir unilateralmente os interesses da agenda global, como tem feito até agora". 

"Os adversários dos EUA não são necessariamente os adversários da Europa. A Europa deve ter a sua própria agenda quando se relaciona com outras potências, tendo em conta as suas características e interesses", sublinhou.

Um "reposicionamento estratégico" que poderá permitir aos europeus "defender os seus próprios interesses e desempenhar um papel de estabilização" nas grandes relações de poder.

 

Ler artigo completo em: Notícias ao Minuto