ptzh-CNen

EUA vão enviar dezenas de caças F-22 para exercício militar próximo à China.

A Força Aérea dos Estados Unidos está enviando mais de duas dúzias de caças F-22 para um exercício no oeste do Oceano Pacífico, um movimento grande e incomum de jatos poderosos em um ato que é visto por especialistas como uma demonstração de força à China.

As Forças Aéreas do Pacífico no Havaí disseram nesta semana que aproximadamente 25 caças F-22 que pertencem à Guarda Nacional Aérea do Havaí e à Base Conjunta Elmendorf-Richardson, no Alasca, serão enviados ainda neste mês às ilhas de Guam e Tiniam como parte da Operação Pacífico 2021.

"Nunca tivemos tantos caças destinados ao mesmo para operações das Forças Aéreas do Pacífico", contou à CNN o general Ken Wilsbach, comandante da força.

Os F-22 são jatos de combate de quinta geração, consideradas as aeronaves de combate mais avançadas do mundo. Elas incorporam tecnologias que combinam sensores de bordo e sistemas de informação que atuam fora das aeronaves que dão aos pilotos uma visão detalhada do espaço de batalha. Outro exemplo de aeronave que faz isso são os F-35.

O envio de tantos caças F-22 para esse exercício militar envia à China uma mensagem direta em momento tenso nos pontos mais críticos do Pacífico, como Taiwan e o mar Sul da China, afirma Carl Schuster, analista de defesa do Havaí e ex-diretor de operações do Centro Conjunto de Inteligência do Comando do Pacífico dos Estados Unidos.

Geralmente, são enviados entre seis e 12 F-22 para exercícios do tipo, disse Schuster. "A Força Aérea do Pacífico está demonstrando que pode enviar em curto prazo a mesma quantidade ou até mais aviões de quinta geração do que China tem atualmente em todo seu estoque", pontuou.

A Força Aérea da China tem entre 20 e 24 caças de quinta geração aptos a operar, afirma Schuster. 

A Força Aérea dos Estados Unidos tem cerca de 180 F-22 em sua frota, mas cerca de metade deles estão fora de operação no momento por necessidade de manutenção, de acordo com estatísticas do governo americano. Ou seja, os Estados Unidos vão enviar cerca de 25% de seus F-22 para o exercício militar no Pacífico.

Por causa de sua capacidade de escapar da detecção dos radares, os F-22 são tidos como um dos primeiros recursos a serem utilizados em qualquer conflito que envolva a tarefa de destruir as defesas aéreas de inimigos, entre outras missões.

O Agile Combat Employment é projetado para espalhar aviões de combate dos EUA e outros recursos de guerra em campos de aviação de toda a região para ampliar a capacidade de sobrevivência a ataques de mísseis inimigos.

CNN