ptzh-CNen

A China quer transformar sua região vinícola competitiva internacionalmente.

Recém-saído de um aumento nas exportações de vinho e de uma visita do presidente Xi Jinping no ano passado, a China quer transformar sua região uma grande produtora de vinho, em Ningxia.

Em 2035, a área das Montanhas Helan em Ningxia pretende produzir 600 milhões de garrafas no valor de 20 bilhões de yuans (US $ 3,12 bilhões), de acordo com um plano aprovado pelo governo central no final de maio. A região ao longo do Rio Amarelo fica a cerca de duas horas de vôo a oeste de Pequim e fica em uma latitude semelhante à da famosa região vinícola da França, Bordeaux.

“Se essa meta for alcançada, o sopé oriental das montanhas Helan se tornará uma área de produção internacionalmente importante e influente, com uma escala igual à de Bordeaux”, disse Sui Pengfei, diretor de cooperação internacional do Ministério da Agricultura da China, a repórteres na semana passada em Mandarim.

Ningxia é apenas uma das várias áreas produtoras de vinho na China, mas os contrafortes orientais das Montanhas Helan têm uma variedade diversa de uvas a par com a de Bordeaux ou Napa Valley nos EUA, e é responsável pela maior parte da produção nacional de vinho, Sui disse.

Mesmo que a meta de 15 anos seja mais do que quadruplicar a produção anual de vinho de Ningxia, os números quase correspondem aos da capital do vinho da França.

Bordeaux produziu 522 milhões de garrafas no valor de 3,5 bilhões de euros (US $ 4,16 bilhões) no ano passado, de acordo com um grupo da indústria francesa.

Como muitos planos chineses de alto nível, o do vinho é vago nos detalhes de implementação. Em vez disso, apresenta uma estrutura para o desenvolvimento que vai desde o aprimoramento do conhecimento da vinificação local e conservação ecológica até "uma janela" para o vinho da China "se integrar ao mundo".

No ano passado, durante a pandemia do coronavírus, as exportações de vinho de Ningxia aumentaram 46,4%, para 2,65 milhões de yuans (cerca de US $ 414.100), de acordo com a agência alfandegária local. Os destinos principais incluíram os EUA, a União Europeia, a Austrália e o Japão. No entanto, o mercado chinês pretende expandir suas exportaçaões de 10% a 20% da produção no longo prazo.

A China ocupa o sexto lugar no consumo global de vinho e o décimo na produção por litros.

CNBC