ptzh-CNen

China apresenta proposta de quatro pontos sobre conflito Palestina-Israel

Segundo anunciou o conselheiro de Estado e ministro das Relações Exteriores, Wang Yi, neste domingo, a China apresenta uma proposta de quatro pontos sobre a escalada do conflito Palestina-Israel.

Wang fez as observações ao presidir o debate aberto do Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) sobre “A Situação no Oriente Médio, incluindo a Questão Palestiniana”, via videoconferência.

Wang disse que a escalada do conflito entre Israel e Palestina resultou num grande número de vítimas, incluindo mulheres e crianças. A situação é extremamente crítica e severa, e um cessar-fogo e fim da violência são urgentemente necessários.

A comunidade internacional deve agir com urgência para prevenir uma maior deterioração da situação, prevenir que a região caia de novo em tumulto e proteger as vidas da população local, destacou Wang.

Ele salientou que a questão da palestina tem sido sempre a essência do assunto do Médio Oriente. Só quando esta for resolvida de maneira abrangente, justa e permanente, o Médio Oriente poderá obter verdadeiramente a paz duradoura e segurança universal.

Em resposta à atual situação tensa, Wang apresentou uma proposição de quatro pontos:

Primeiro, cessar-fogo e fim da violência são as máximas prioridades. A China condena fortemente os atos violentos contra civis e pede de novo que os dois lados parem imediatamente com as ações militares e hostis, assim como as ações que deterioram a situação, incluindo ataques aéreos, ofensivas terrestres e lançamentos de foguetes. Israel deve exercer a contenção em particular.

Segundo, assistência humanitária é uma necessidade urgente. A China pede que Israel cumpra sinceramente com suas obrigações sob os tratados internacionais, tire todos os bloqueios e assédio de Gaza o mais breve possível, garanta a segurança e direitos de civis no território palestiniano ocupado e forneça acesso à assistência humanitária. A comunidade internacional deve fornecer assistência humanitária para a Palestina e a ONU deve desempenhar um papel coordenador para evitar desastres humanitários graves.

Terceiro, apoio internacional é uma obrigação. O CSNU deve tomar ação vigorosa sobre o conflito Palestina-Israel, reiterar o seu apoio firme a uma “solução de dois estados” e incentivar que a situação se acalme o mais cedo possível.

O CSNU fracassou em formar uma voz unânime devido à obstrução de um certo país. A China pede que os Estados Unidos assumam as suas responsabilidades devidas, adotem uma posição justa e apoiem o CSNU a desempenhar o seu devido papel no alívio da situação, reconstrução da confiança e solução política.

A China também apoia a ONU, a Liga dos Estados Árabes, a Organização de Cooperação Islâmica e outros países a terem uma importante influência na região para desempenharem um papel mais ativo.

Quarto, uma “solução de dois estados” é a saída fundamental. A China apoia os dois lados a retomarem conversações de paz com base em uma “solução de dois estados” o mais cedo possível, estabelecerem um Estado da Palestina independente que desfrute da soberania total com Jerusalém Oriental como a sua capital e com base na fronteira de 1967, e realizarem fundamentalmente a coexistência pacífica Palestina-Israel, alcançarem a coexistência harmoniosa das nações árabes e judaica e obterem uma paz duradoura no Oriente Médio.

Wang disse que, desde que a China assumiu a presidência rotativa do CSNU, tornou a resposta às atuais tensões no Oriente Médio uma máxima prioridade e impulsionou a entidade a deliberar a questão palestina muitas vezes.

“A China continuará a intensificar esforços para promover as conversações de paz e cumprirá com seus deveres na presidência rotativa do CSNU”, garantiu Wang, acrescentando que o país convidou os pacificadores da Palestina e Israel a realizar diálogo na China. Ele espera que os negociadores dos dois países realizem conversas diretas em território chinês.

Wang pediu a unidade, adesão à paz, justiça e imparcialidade, ficar no lado certo da história, e praticar o multilateralismo real, a fim de impulsionar a solução abrangente, justa e permanente da questão palestiniana o mais cedo possível.

Os participantes do debate aberto agradeceram à China por presidir o evento, pedindo cessar-fogo e fim da violência imediatos entre Israel e Palestina, assim como um acalmar da situação ao obedecerem às resoluções relevantes do CSNU e às leis internacionais.

Eles também acreditam que os membros do CSNU e a comunidade internacional devem falar como uma só voz para promover justamente as conversações de paz e a realização da coexistência pacífica entre a Palestina e Israel.

XINHUA PORTUGUÊS