ptzh-CNen

Visão: O empenho da China no G20.

A China tem vindo a apoiar, ao longo dos anos, o fortalecimento do G20 em complemento da ação primordial da Organização das Nações Unidas (ONU). A China dá voz e defende os interesses da maioria dos países em desenvolvimento, impedindo a instrumentalização do G20 por alguns países do G7, liderados pelos EUA. O presidente chinês, Xi Jinping, propôs, em janeiro de 2021, colocar a organização ao serviço do Mundo como "principal fórum de governança econômica global”, contribuindo para a coordenação de políticas macroeconômicas mais justas e eficientes, em defesa da sustentabilidade do planeta e da qualidade de vida das populações, ameaçadas pelas alterações climáticas e pela pandemia, colocando sempre a ciência no centro das decisões políticas. A China apoia os países em desenvolvimento que defendem a reforma das instituições financeiras mundiais e exigem maior transparência e legitimidade do G20, tendo Xi Jinping afirmado que "deveríamos construir uma economia mundial aberta” onde a comunidade internacional deveria ser governada de acordo com regras claras e consensos aceites por todos os países, ao invés de um ou vários países imporem bloqueios unilateralmente a outros países.

O G20 surge em 1999, após as crises económicas e financeiras dessa década, como organização intergovernamental, juntando as mais ricas economias (do G8: as sete economias mais industrializadas do mundo e a Rússia), com as principais nações em desenvolvimento. É composto pela União Europeia e pelos seguintes 19 países: África do Sul, Alemanha, Arábia Saudita, Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, Coreia do Sul, EUA, Federação Russa, França, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Reino Unido e Turquia.

O G20 tem, desde 2008, o objetivo de analisar as questões políticas e económicas globais, nomeadamente a estabilidade financeira internacional. Esta organização representa dois terços da população mundial, cerca de 90% do PIB mundial e 80% do comércio internacional (incluindo o da UE). A partir do momento em que, para além dos ministros das finanças e dos governadores dos bancos centrais, se passaram a reunir os respetivos chefes de estado ou de governo, a organização ganhou uma nova centralidade, ultrapassando o G7, como fórum de discussão sobre governança internacional.

As presidências são rotativas entre os estados membros, sendo italiana em 2021. A Itália escolheu três temas globais e complementares - Pessoas, Planeta e Prosperidade, os quais foram alvo de preparação em reuniões ministeriais, que têm vindo a realizar-se para tentar construir consensos a serem confirmados, ou não, pelas decisões finais que serão aprovadas na Cúpula de Líderes do G20 de 2021, que decorrerá a 30 e 31 de outubro de 2021, em Roma. A presidência italiana tem vindo a organizar encontros de ministros de diversas pastas sobre temas importantes da agenda global, como saúde, sustentabilidade ambiental, pesquisa e inovação, empoderamento das mulheres e anticorrupção.

O Conselheiro de Estado e Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, apresentou à reunião dos ministros das Relações Exteriores do G20 (28-29 de junho) o apoio e o incentivo a que a organização lidere uma resposta internacional rápida à pandemia de Covid-19, que garanta o acesso equitativo e mundial a diagnósticos, terapêuticas e vacinas, criando condições para resistir a futuras ameaças à saúde. Wang Yi destacou a necessidade da cooperação internacional entre as principais economias, para a recuperação econômica e o combate conjunto à pandemia de Covid-19. A China forneceu 450 milhões de doses de vacina a cerca de 100 países, demonstrando desta forma o seu empenho na erradicação da pandemia, ao contrário de muitos países ocidentais que, na defesa egoísta dos lucros das suas farmacêuticas, não autorizaram a suspensão das patentes das suas vacinas. Outros países proibiram a exportação de vacinas antes de eles próprios acumularem um número excessivo de vacinas, várias vezes superior à sua população. Respondendo aos ataques injustificados e à estratégia dos EUA de tentarem isolar e impedir a recuperação da China, o ministro Wang apelou ao reforço do multilateralismo entre os estados membros do G20, numa cooperação de ganho mútuo (win-win), em vez de se envolverem em jogos de soma zero - "O multilateralismo não é um slogan pairando no ar, nem é um disfarce para o unilateralismo".

O comunicado da terceira reunião dos Ministros das Relações Exteriores (9 e 10 de julho, na Itália), partilha desta visão chinesa - “imunização para Covid-19, como um bem público global, e reiteramos nosso apoio a todos os esforços colaborativos, inclusive por meio do compartilhamento global equitativo de doses de vacinas seguras, eficazes, de qualidade e acessíveis”. Por outro lado, os chanceleres do G20 consideraram necessário impulsionar a recuperação global pós-pandemia e encontrar soluções conjuntas para os problemas do desenvolvimento global, nomeadamente em áreas como a cooperação e o investimento em infraestruturas. Os ministros do G20 resistiram à tentativa dos EUA, de excluir os investimentos chineses (Cinturão e Rota) reafirmando a inclusão de todos os países que queiram participar: “continuaremos nossa cooperação internacional para conduzir a economia global em direção a um crescimento forte, sustentável, equilibrado e inclusivo. Reafirmamos o importante papel do comércio aberto e justo baseado em regras para restaurar o crescimento e a criação de empregos e nosso compromisso com o combate ao protecionismo, e encorajamos esforços conjuntos para reformar a Organização Mundial do Comércio (OMC)”.

Os chefes de estado e de governo dos países do G20, terão a oportunidade, na sua cimeira no final de outubro de 2021, em Roma, de reforçar os consensos das anteriores reuniões ministeriais e mesmo de afirmar novos consensos, com medidas políticas e financeiras especificas para a defesa do meio ambiente e o progresso da humanidade.

CRI